sábado, janeiro 01, 2022

Um dos primeiros dias, "do resto...".

 Começar o ano traz invariavelmente a necessidade de comprimir imagens que pretendemos arquivar no ficheiro dedicado ao ano anterior, para dar lugar ao processamento daquelas que se avizinham. Contudo, enquanto por cá andarmos, existirá sempre o gerúndio, algo que impede qualquer noção nihilista no modo pessoal de considerar esta e outras, ou quaisquer, datas socialmente ultra-valorizadas.

Assim, sem licença para eliminar da memória metade do curso que devo terminar em Junho, período este fugaz enquanto comparado com outros passeios que pretendo conformem a vida, outros aspectos da mesma resultam de tal forma estructurantes que me dou conta terem passado a ser estructurais, ou seja, identitários do indivíduo e inalienáveis se pretendo continuar vivo pelo menos até ao colapso do organismo, mas, mais importante, além desse momento.

                                     

O Mário terminou em Junho passado a Licenciatura em Ciências Biológicas, encontrando-se hoje na zénite do Mestrado em Biotecnologia:


A Inês, por seu lado, acaba de tocar a sua primeira composição de Beethoven, "Fur Elise": 


Como conclusão para este ano, mesmo que rodeado de semelhantes, para lá da génese, decidida e tristemente, modifiquei sim a consideração pelo seguinte Haiku a 31 de Dezembro 2021:

¡Ah! ¡Ser como
un niño
el día de Año Nuevo…!
Kobayashi Issa (Yataro)

segunda-feira, janeiro 11, 2021

16 anos

 Aqui permaneço, no atravessar de uma pandemia sobre a qual muito se falou, muitos se aproveitaram, mas, mais importante, durante a qual tantos nos foram e vão deixando. Contudo, o consolo de saber que quem amo permanece e cresce, atenua o angústia que a vida numa realidade severamente condicionada provoca.

Assim, sendo que o atrás descrito constitui apenas um dos aspectos mais relevantes destes últimos 12 meses, um elemento ao qual não estava habituado a prestar demasiada atenção, a saúde do vizinho, diferente acicate me leva escrever estas linhas, aquele exercício anual de gravar em memória pública as impressões e resultados, do trajecto de dito período:

Continuo a tentar estudar. Não obstante, torna-se cada vez mais distante o culminar da carreira de Antropologia. Este ano, por primeira vez, notei certa merma na vontade de me construir e, não será ao amparo daqueles por quem justifico a vida que a reforçarei. Desde o âmbito profissional ao político, e mesmo no pessoal, entendo que procurar razões que me permitam acreditar não encontra compensação, sobretudo pela dimensão cada vez maior da tarefa. 

Ainda assim, quase como o ar que respiro, está por outra parte o compromisso, que foi comigo e com a vida, numa primeira fase, mas que, hoje, se traduz essencialmente naquele com as vidas que nesta bola coloquei.

Há 16 anos, havia contruido o que a luta de quem não sabia impossivel e tentava, conseguiu. Agora sei, pelo menos, que não há humano naturalmente capaz de respirar submergido.

Em conclusão (espero que apenas por agora), a felicidade, que considerei estimulada por amar o próximo, tentado quem sabe por uma certamente inconscientemente ansiada reciprocidade, deixa apressuradamente de ser convicção, resta ainda como dúvida motivada, uma pergunta da qual, temeroso pela resposta, encontro prematuro deixar de fazer.

Venha 2021!

 

sexta-feira, janeiro 31, 2020

15º Aniversário

Não quería deixar passar Janeiro sem por aquí fazer prova de vida, afinal já passaram 15 anos.
Sem saber que virá depois, continúo a trabalhar, tentando cuidar dos meus com aquelas que considero melhores soluções.
Estudar, aprender, sempre. Não sei quando deixarei de estudar formalmente, suponho que sempre dependerá das circunstâncias. Celebro também, este ano, quarenta (40) anos de trabalho, ainda faltam dezasseis (16) para olhar para o espelho demoradamente.
Aos 17, ao largo da Guiné-Bissau, imenso atlântico, escutava reiteradamente o albúm em baixo:

sábado, novembro 03, 2018

Helicoidal

O azimute que observo inerente à historia, não apenas da sociedade em geral, mas, pessoal, também ou possivelmente porque parte do todo.
Voltar a utilizar este espaço como registo de conclusões preliminares sobre matérias de estudo não deixou nunca de ser opção. Porém, se algo não se previa tangível era a possibilidade de voltar a iniciar um curso superior ou tornar a apostar numa área formativa distinta àquela à qual dediquei a prática totalidade da última década.
Não obstante, considerando a manifesta apetência pela Antropologia, curso frequentado no passado sem consecução, bem como as actuais circunstâncias, necessidades e possibilidades, começo agora uma nova etapa, impondo-me a assunção do desafio que constitui dedicar quatro (4) anos, dos cada vez menos restantes, à aquisição de conhecimento, neste caso o mais multidisciplinar até hoje.
Assim, seguramente voltarei a depositar aqui dúvidas, conclusões equivocadas ou "verdes" e, claro, conhecimento, que é do que se trata essencialmente, mas não só.
Concluindo, a humildade que nos toca à porta quando iniciamos qualquer experiencia sem conhecimento prévio não deixa de ser acicate, estímulo, da coragem que extrapolamos ao quotidiano, ainda que por "inércia", e que, subjaz naturalmente à decisão. Dito aporte motivacional, se consciente (não afirmo que de outra forma não aconteça), contribui para o equilíbrio homeostático e até para o reforço das defesas do organismo, mas, fundamentalmente, reduz a permeabilidade.  
  

segunda-feira, julho 09, 2018

Intelligentia et Immunitas

Sem forma de sequer imaginar prosseguir e culminar a investigação sobre a matéria que dá título a este inusitado texto, apenas como hipótese, essa sim passível de constituir génese para uma tese que reconheceria como corajosa devido ao potencial para suscitar a crítica generalizada e para que conste quanto antes no acervo da elucubração que aquí, de forma mais ou menos acertada, se reserva lugar. Não pretendendo, por outra parte, tomar sentido na poética resposta de Juvenal: "Mens sana in corpore sano" ainda que provavelmente, e uma vez mais, sustentado também no legado de Darwin, considero:

 A capacidade cognitiva parece resultar directamente proporcional à resistência do sistema imunitário.


Mário Pinto

sexta-feira, janeiro 05, 2018

13º aniversário

Um ano passado numa frequência inaudita para os sentidos, chegamos ao 13º aniversário deste bloco de notas que, pela proliferação de diferentes plataformas sociais e afazeres que poderiam levar um adulto a rever-se numa criança (que não concretamente os próprios filos), tem vindo a perder parte da sua preponderância enquanto suporte terapéutico, para este que aquí escreve, mas, seguramente para uma massiva percentagem de utilizadores deste meio. Por tal, assumo a obrigação de, depois deste tempo, reclamar o lugar específico e necessário que o Blog conserva na chamada caixa de ferramentas da homeostase.

 

Venham muitos mais!

sexta-feira, outubro 13, 2017

Confabular

 Sobre a realidade em que pensam viver os portugueses, ou sobre aquela que, através dos mais diferentes meios de manipulação procura o interesse económico acreditem protagonizar, escrevo a modo de terapia este texto.
 Sem escusar lembrar ser português, resido porém, desde há muito (mesmo muito), na diáspora, circunstancia que pode resultar interessante para quem desconhece dita condição ou para outros aos quais a motivação residiu e se mantem, essencialmente no factor material. Aspectos positivos poder-se-iam efectivamente destacar, da mesma forma que tantos negativos mas habitualmente reservados há esfera pessoal do indivíduo emigrante.
 Não obstante, é sobre a perspectiva pessoal que pretendo desenvolver a opinião, sem poder, mesmo atendendo ao escrito acima, afirmar se é ou não positivo opinar sobre um paradigma que, somado à impossibilidade de o experimentar, gera ou provoca emoções ambivalentes.
 Em Portugal, depois de aproximadamente cinquenta (50) anos de ditadura e justamente no seu terminus nasci - em 1970 -, cresci numa sociedade vítima durante mais de duas (2) gerações de um imposto e criminoso obscurantismo, esclavagismo; entre sobreviventes da clivagem económica ou do escamote cultural sofridos e infligidos pelos próprios vizinhos, todos amedrontados. Meio século de mordaça, demasiado tempo sem discutir, demasiado tempo sem dúvidas, e, demasiadas certezas hoje, de quem afirma impossível sequer uma subtil modificação do ADN, do ARN se quiserem, provocada pela repressão nacional salazarista.

 Porém, este meu quadro, é isso mesmo, o meu quadro. Assim, tenho observado como Portugal se publicita diariamente nos meios de comunicação internacionais, que toda ou quase toda dita propaganda, além do procurado impacto global, repercute na mente dos residentes portugueses em Portugal de forma aparentemente bastante positiva, sem deixar de mencionar os, tão inusitados quanto repetidos, êxitos nos mais diversos âmbitos, que desde o desporto à ciência, passando pelo turismo, pelo património, pela política ou, evitando estender-me, pela economia ou o emprego, resultam tão estimulantes quanto um recapturador de serotonina (tão sorridentes em suma quanto despreocupados), quem sabe pela inconsciente procura de identificação, característica própria desta condição de "exilado", encontro inúmeros elementos comuns entre qualquer campanha de marketing empresarial e a forma adoptada para, ao parecer, vender um país como "colónia" balnear low-cost.
 Senão vejamos:

 Excelentes praias, muito sol, circuito mundial de surf, bom vinho e melhor comida.

 Fado, Cante e outros patrimónios como a Xávega.

 Campeões de diferentes modalidades, em confronto directo com as primeiras potencias mundiais.

 Resultados económicos exemplares.

 Grande parte do território queimado.

 Ordenados vergonhosos.

 Custo de vida reduzido, atendendo apenas aos vizinhos europeus.

 Baixo grau de formação.

 Garantias sociais praticamente inexistentes.

 Conjuntamente com estes atractivos factos, mais parece agora que, resgatada qual Ferreira Leite da inacção da 3ª idade, temos como agente comercial uma consagrada artista como a Madonna, quem mexe desde a ministra às redes sociais para conseguir a sua residencia no nosso país (mesmo que uma alegre casinha), mostrando ao mundo o quão convencida está dos beneficios de viver em Portugal. Ainda assim, não quero deixar de considerar o tipo de público que esta senhora granjeou durante a sua carreira e o impacto cultural que pode trazer a sua eleição.
 Mais ao pormenor, vejo também como depois de um histórico de prevaricadores à frente de diferentes governos portugueses, uma esquerda trotskista "social democrata" que pretende substituir-se à natureza permitindo a mudança de sexo aos dezasseis (16) anos quando a essa idade não existe ainda qualquer decisão consciente tomada por Humano algum, que pretende que um paciente terminal e invariavelmente deprimido decida sobre a sua morte; com um partido comunista que obriga os trabalhadores dos museus a trabalhar ao domingo e simultaneamente impede a ampliação do horario ao sábado de uma das maiores fábricas no nosso tecido industrial; a perpétua  defesa do corrupto partido social demócrata, seguramente atendendo à composição de alguns telhados, torna-se quase impossivel olhar para o Portugal futuro sem que nesse quadro apareçam mulheres e homens formados, dobrados, calados, a sorrir, famélicos, todos sãos e impedidos de procriar por ser quase impossível pagar o aluguer de uma habitação com um (1) quarto ou alimentar adequadamente uma terceira boca.
 
 Será apenas a saudade que me leva a esta confabulação ou é esta fábula, transvestida de híper realidade, que me traz este azedume?

P.S. - Penso que aquí começou: http://sicnoticias.sapo.pt/economia/2014-11-27-Cavaco-Silva-desafia-arabes-a-visitarem-Portugal