sábado, fevereiro 28, 2009

Lenin 1895

(...) Engels só se tornou socialista em Inglaterra. Em Manchester pôs-se em contacto com os militantes do movimento operário inglês de então e começou a escrever para as publicações socialistas inglesas. Em 1844, ao passar por Paris de regresso à Alemanha conheceu Marx, com quem se correspondia já há algum tempo, e que se tinha igualmente tornado socialista durante a sua estada em Paris, sob a influência dos socialistas franceses e da vida em França. Foi aí que os dois amigos escreveram em conjunto A Sagrada Família ou Crítica da «Crítica Crítica». Este livro, escrito na sua maior parte por Marx, e saído um ano antes de A Situação da Classe Operária em Inglaterra, contém as bases do socialismo materialista revolucionário de que atrás expusemos as ideias essenciais. A Sagrada Família é uma denominação jocosa dada a dois filósofos, os irmãos Bauer, e aos seus discípulos. Estes senhores pregavam uma crítica que se colocava acima de toda a realidade, acima dos partidos e da política, repudiava toda a actividade prática e limitava-se a contemplar «criticamente» o mundo circundante e os acontecimentos que nele se produziam. Os senhores Bauer qualificavam desdenhosamente o proletariado de massa desprovida de espírito crítico. Marx e Engels opuseram-se categoricamente a esta tendência absurda e nefasta. Em nome da verdadeira personalidade humana, do operário espezinhado pelas classes dominantes e pelo Estado, Marx e Engels exigiam não uma atitude contemplativa, mas a luta por uma melhor ordem social. Era, evidentemente, no proletariado que eles viam a força capaz de travar esta luta e directamente interessada em fazê-la triunfar. Já antes do aparecimento de A Sagrada Família, Engels tinha publicado na revista Anais Franco-Alemães editada por Marx e Ruge o seu Estudo Crítico sobre a Economia Política em que analisava, de um ponto de vista socialista, os fenómenos essenciais do regime económico contemporâneo como consequências inevitáveis da dominação da propriedade privada. As suas relações com Engels contribuíram incontestavelmente para que Marx se decidisse a ocupar-se do estudo da economia política, ciência em que os seus trabalhos iriam operar uma verdadeira revolução.(...)

A revolução é hoje!

5 comentários:

filipe disse...

Mais de um século decorreu e, não obstante, continua inteiramente actual esta avaliação leninista do papel de transformação revolucionária atribuído à classe operária. Que, sabemos bem, não constitui nenhum desígnio divino, mas antes é consequência das características próprias desta classe e do papel que desempenha no processo produtivo.
É sempre bom e muito útil "regressarmos" a Lenine.
Abraço.

Anónimo disse...

Mário
O capitalismo, já admite, discutir Marx, e muitos papaguaios da nossa praça que até há pouco tempo diziam que(se Marx ainda existisse não seria Marxista, esses viraram topeiras.
Abraço camarada

Capitão disse...

Em honra ao camarada Sérgio Moreira, prosseguimos o combate solidário com a Revolução Bolivariana!
http://radiomoscovo.blogspot.com/2009/02/sergio-moreira-vitoria-de-um-resistente.html

Esta semana vamos dedicar ao feitos da Revolução! Fiquem atentos. Aqui vai um aperitivo.
http://tirem-as-maos-da-venezuela.blogs.sapo.pt/

Sábado, 28 de Fevereiro de 2009
Inflação e Salário Mínimo na Venezuela

A Inflação na Venezuela

De 1999 a 2008, durante a governação de Chávez, a soma da inflação anual acumulada é de 211%. A média por ano é de 21,1%. A inflação média durante os últimos 8 anos antes de Chávez foi de 50,8%. A inflação é um problema sério na Venezuela, quem o cria são os empresários capitalistas não é o Estado - que segue os controles de preços da Lei à risca. A solução é, na minha opinião e na de cada vez mais trabalhadores e sindicalistas venezuelanos, nacionalizar as empresas do sector alimentar e de outros produtos para o dia o dia e colocá-las sob Controle Operário (gestão democrática dos trabalhadores).



Fontes: Wikipédia, Banco Central da Venezuela, Instituto Nacional de Estatísticas (Venezuelano)

O Salário Mínimo na Venezuela

O último aumento do Salário Mínimo (na Venezuela) em 2008 trouxe o valor para 372 dólares ( 799 Bolívares Fortes na moeda venezuelana). Ao salário mínimo adiciona-se, no sector público e em parte do sector privado (porque alguns capitalistas não cumprem a lei), o "cesta ticket" (subsídio de alimentação) que em 2008 era de 186 dólares. Então o salário mínimo mais "cesta ticket" na Venezulea dá 558 dólares (440 euros). Além disso devemos ter em conta que os serviços publicos são gratuitos e mais vastos que aqui em Portugal. Na Venezuela todo o sistema de saúde e o sistema de ensino (do primário ao superior) públicos são gratuitos, não existem nem propinas nem "taxas moderadoras".

Antes de Chávez, nos últimos 9 anos anteriores de 1990 a 1998 (sob as presidências Carlos Andrés Perez, Ramón Velásquez, Rafael Caldera - dois do PS e outro do PSD lá do sítio), o salário mínimo médio desses 9 anos foi de 101 dólares. Ou seja, pelas minhas contas o salário minímo venezuelano atingiu um patamar que é quase o quatro vezes superior aos da época neoliberal dos 90.

Fontes: Observatório do Algarve, Tirem as Mãos da Venezuela (Brasil), Aporrea, BBC Brasil, Wikipédia

Mário Pinto disse...

Filipe,

é importante nunca prescindirmos de Lenine.

Abraço

A revolução é hoje!

Mário Pinto disse...

José,

Pouco credenciados que os escutemos sobre Marx.

A revolução é hoje!