terça-feira, julho 08, 2008

Altruismo.. Egoismo.. Racional, biológico, "moral", psicológico, o dilema do prisioneiro e alguma Wikipédia.

Altruísmo palavra percebida muitas vezes como sinônimo de solidariedade, a palavra altruísmo foi criada em 1830 pelo filósofo francês Augusto Comte para caracterizar o conjunto das disposições humanas (individuais e coletivas) que inclinam os seres humanos a dedicarem-se aos outros. Esse conceito opõe-se, portanto, ao egoísmo, que são as inclinações específica e exclusivamente individuais (pessoais ou coletivas).
Além disso, o conceito do altruísmo tem a importância filosófica de referir-se às disposições naturais do ser humano, indicando que o homem pode ser - e é - bom e generoso naturalmente, sem necessidade de intervenções sobrenaturais ou divinas.
Na doutrina comtiana, o altruísmo pode apresentar-se em três modalidades básicas: o apego, a veneração e a bondade. Do primeiro para o último, sua intensidade diminui e, por isso mesmo, sua importância e sua nobreza aumentam. O apego refere-se ao vínculo que os iguais mantêm entre si; a veneração refere-se ao vínculo que os mais fracos têm para com os mais fortes (ou os que vieram depois têm com os que vieram antes); por fim, a bondade é o sentimento que os mais fortes têm em relação aos mais fracos (ou aos que vieram depois).

o altruísmo é considerado o caminho que nos leva à iluminação. Uma atitude altruísta pode ser interpretada como caridade se bem relacionada com os interesses do próximo. Agir de forma altruísta, é dar-se ou beneficiar alguém em troca dos mesmos prazeres. Por ser uma atitude de divisão, não se trata de um pensamento egoísta, no entanto, uma atitude altruísta pode ser confundida com egoísmo, quando misturamos nossos prazeres pessoais com a insatisfação de quem os recebe. No budismo, ser altruísta em geral é muito positivo, além do grande prazer em dedicar-se ao outro, cria laços de confraternização, o que nos faz crescer interna e externamente. Quando reconhecemos as necessidades alheias, sentimos nossa percepção do mundo ampliar. A vida tem significados maiores quando somos úteis e nos sentimos mais ativos socialmente.

PD / BBCUNDO)-.
Un equipo de científicos estadounidenses dice haber identificado la zona del cerebro que predice si seremos altruistas o egoístas. Según la investigación llevada a cabo en el Centro Médico de la Universidad Duke, la zona relacionada con el altruismo es la llamada sulcus posterior superior temporal.En el estudio, publicado en la revista Nature Neuroscience, los investigadores monitorearon los cerebros de 45. Los científicos lograron categorizar a los participantes como más o menos altruistas, basándose en sus respuestas a las preguntas sobre cúan a menudo se comprometían en ayudar a otros.Después compararon los escáneres con los resultados de sus conductas altruistas. Según los científicos, los escáneres mostraron que el aumento en la actividad del sulcus posterior superior temporal predice "vigorosamente" la probabilidad de que una persona sea altruista.Los resultados, dicen los investigadores, indican que la conducta altruista podría originarse en la forma cómo la gente percibe el mundo, más que en la forma cómo actúa en éste.
APLICACIONES
Según los científicos, el estudio podría tener implicaciones importantes para el entendimiento de enfermedades como el autismo, además de comprender muchos aspectos de las relaciones sociales. Para los expertos, durante mucho tiempo se ha intentado comprender por qué existe la cooperación entre los seres humanos, aún cuando esa cooperación no dé una recompensa directa o inmediata. Y se ha pensado que el altruismo está relacionado a la capacidad del individuo de percibir el mundo y la capacidad de poder percibir la mente del prójimo, el llamado cerebro social.
Por eso mismo, los especialistas también creen que este estudio podría eventualmente ayudar a entender desórdenes como el autismo o la esquizofrenia, en las cuales hay un déficit de la capacidad del individuo para percibir al prójimo.
O dilema do prisioneiro é um problema da teoria dos jogos e um exemplo claro, mas atípico, de um problema de soma não nula. Neste problema, como em outros muitos, supõe-se que cada jogador, de modo independente, quer aumentar ao máximo a sua própria vantagem sem lhe importar o resultado do outro jogador.
As técnicas de análise da teoria de jogos padrão - por exemplo determinar o equilíbrio de Nash - podem levar cada jogador a escolher trair o outro, mas curiosamente ambos os jogadores obteriam um resultado melhor se colaborassem. Infelizmente (para os prisioneiros), cada jogador é incentivado individualmente para defraudar o outro, mesmo após lhe ter prometido colaborar. Este é o ponto-chave do dilema.
No dilema do prisioneiro iterado, a cooperação pode obter-se como um resultado de equilíbrio. Aqui joga-se repetidamente, pelo que, quando se repete o jogo, oferece-se a cada jogador a oportunidade de castigar ao outro jogador pela não cooperação em jogos anteriores. Assim, o incentivo para defraudar pode ser superado pela ameaça do castigo, o que conduz a um resultado melhor, cooperativo.
O dilema do prisioneiro foi originalmente formulado por Merrill Flood e Melvin Dresher enquanto trabalhavam na RAND em 1950. Mais tarde, Albert W. Tucker fez a sua formalização com o tema da pena de prisão e deu ao problema geral esse nome específico. O dilema do prisioneiro (DP) dito clássico funciona da seguinte forma:
Dois suspeitos, A e B, são presos pela polícia. A polícia tem provas insuficientes para os condenar, mas, separando os prisioneiros, oferece a ambos o mesmo acordo: se um dos prisioneiros, confessando, testemunhar contra o outro e esse outro permanecer em silêncio, o que confessou sai livre enquanto o cúmplice silencioso cumpre 10 anos de sentença. Se ambos ficarem em silêncio, a polícia só pode condená-los a 6 meses de cadeia cada um. Se ambos traírem o comparsa, cada um leva 5 anos de cadeia. Cada prisioneiro faz a sua decisão sem saber que decisão o outro vai tomar, e nenhum tem certeza da decisão do outro. A questão que o dilema propõe é: o que vai acontecer? Como o prisioneiro vai reagir?
O fato é que pode haver dois vencedores no jogo, sendo esta última solução a melhor para ambos, quando analisada em conjunto. Entretanto, os jogadores confrontam-se com alguns problemas: Confiam no cúmplice e permanecem negando o crime, mesmo correndo o risco de serem colocados numa situação ainda pior, ou confessam e esperam ser libertados, apesar de que, se ele fizer o mesmo, ambos ficarão numa situação pior do que se permanecessem calados?
Um experimento baseado no simple dilema encontrou que cerca de 40% de participantes cooperaram (i.e., ficaram em silêncio).
Em abstracto, não importa os valores das penas, mas o cálculo das vantagens de uma decisão cujas conseqüências estão atreladas às decisões de outros agentes, onde a confiança e traição fazem parte da estratégia em jogo.
Casos como este são recorrentes na economia, na biologia e na estratégia. O estudo das táticas mais vantajosas num cenário onde esse dilema se repita é um dos temas da teoria dos jogos.

15 comentários:

Ana Camarra disse...

Crn

Coisas rápidas:

A imagem do cavaleiro da triste figura-adoro. Tenho o livro em castelhano.

A caridade-é um conceito que desprezo por oposição ao altruismo ou á solidariedade. A caridade é comezinha e não tenta resolver nada é um alivio de consciência.

O estudo- Fantástico a ciência chega cada vez mais á essencia do ser humano.

O jogo- Jogam-nos mnesses jogo ou pelo menos tentam-nos jogar.

Ainda há quem resiste.

beijoca

CRN disse...

Olá Ana,

No relativo ao Don Quijote, quem era o verdadeiro altruista?
O Sancho o do Quijote?
Racional?
Psicológico?
Moral?
Era altruismo?

Ana Camarra disse...

BOA tenho que pensar mais bocadinho mas quase que me inclino para o Sancho...

jorge disse...

Caro CNR, visite o Blog REPORTER-UNIVERSAL penso que é um local bom para você frequentar. Abraço!

CRN disse...

Olá Jorge,
Tive o prazer de ser convidado pelo nosso amigo bivolta, parece ser que houve um momento de estagnação mas passo por lá de vez em quando.
Por outra parte, já vi que estás bastante mais prolifero, o "a norte do equador" está bastante mais alimentado que há uns meses.

Cumprimentos.

A. João Soares disse...

CRN,
Agradeço o comentário deixado em Do Mirante. Gostei deste seu espaço, muito cultural e didáctico, Voltarei com mais calma. Merece ser visitado para se aprendewr e meditar.
Abraço
João

CRN disse...

Caro João,
Grato pela visita, volte sempre.

Cumprimentos.

Ana Camarra disse...

Depois de uma reflexão -SANCHO PANÇA.
Ela era tão solidário que fingia acreditar em tudo o que D. Quixote inventava e ainda o protegia de si mesmo.

beijoca

CRN disse...

Uma conclusão a ponderar, sem dúvida.

Outra questão é, qual era a motivação do Sancho Pança?

Cumprimentos.

Ana Camarra disse...

Talvez tivesse o sulcus superior temporal activo?!
È agora já não o conseguem scanar.

CRN disse...

Exacto,ou não tinha melhor vida que acompanhar o avariado, mais possibilidades de instrucção, melhor ordenado e viagens com patrocinio. Eu estou mais consigo que com as "más linguas"!

Ana Camarra disse...

Que horror não trate por você.
Trata-me por tu

AJB - martelo disse...

digamos que há por aqui bom trabalho de investigação e de bom gosto...
grato pela sua visita.

CRN disse...

Ana,
A verdade é que podiamos estar a falar do tema, fazer uma exumação do cadáver do Sancho e provavelmente ficariamos a saber o mesmo, só debruçando-nos longamente sobre o assunto poderiamos sacar algo em claro.
Por essas e por outras, por não saber se existem realmente as más linguas e se, apelando ao relativismo, o Sancho era masoquista ou pai da Dulcineia, que acompanhava o Quijote só para o manter afastado da filha, estou contigo!

CRN disse...

Olá Martelo,
Agradeço a visita e congratulo-me com a sua opinião.
Volte sempre.

Cumprimentos