quarta-feira, dezembro 23, 2009

Natal

Nem Marcos, no primeiro evangelho, se referia à infância de Cristo!

Nem mais.
Porque razão começa o ano no dia 1 de Janeiro, quando, supostamente, o "senhor" nasceu no dia 25 de Dezembro?
Não era esta a data atribuída pelos romanos para o solstício de inverno, para o "renascer" do Sol?
Não é verdade que no antigo oriente não se recordavam as datas de nascimento?
Não defendem os evangelistas que a gruta na qual nasceu o "senhor" era um templo de Adónis, posteriormente anexado pela igreja católica?
Não é verdade que existe um "Da pasha computus" de 243, no qual se determina o dia 28 de Março como data do nascimento?
Não é verdade que depois de "Origens" (245), no qual se renunciava a festejar dito acontecimento como se de um rei se tratasse, e aceitando que o catolicismo "tinha pernas para andar", os discipulos de Basílides decidiram fixar a data de 6 de Janeiro como correcta?
Não era esta a data da epifânia (aparição) de Osíris, ou de Dionísio, seu correspondente para os Gregos, sendo objectivo da seita gnóstica semi-cristã de ditos discípulos perpetuar a devoção aos seus deuses, assumindo que o cristianismo crescia e que, não podendo com esta melhor seria ir à montanha?
No era Dionísio que, ao renascer, fazia manar vinho da ilha de Andros, ou Osíris, que ao aparecer no Nilo transformava as suas aguas em Vinho?
Não era esta a data na qual o sol abandonava a constelação de Virgo?
Não era esta a data na qual, na Alexandria, a Virgem dava à luz o seu filho Aião, eterno homólogo de Osíris e Dionísio?
Não era nesta data, também na Alexandria, que os fiéis terminavam as suas preces e desciam à cripta para retirar uma estátua de uma criança que tinha como marcas na testa, nas mãos e nos joelhos, uma cruz e uma estrela de ouro?
Não consagrou Alexandre Magno, em 331, Alexandria a Aião, em ordem a preservar a eternidade da cidade?
Já em 170, não foi Melitão de Sardes que comparou Cristo com Hélios?
Não se defendia anteriormente que o Sol, criador de toda a vida, que havia subido ao céu, se banhava com as estrelas e a lua, nas aguas do oceano?
Não é verdade que no século IV, em todo o oriente cristão, se celebrava já o dia 6 de Janeiro?
Não é verdade que o papa Siricio, desde a cadeira de Pedro e depois de decidir oficialmente que as festas cristãs eram a páscoa e a epifânia, decide também, em 387, que o dia 6 passava a significar a "Natividade"?
Não denominam os Antropólogos como "Sincretismo" um fenómeno deste tipo?

Mas como se passou essa celebração a dia 25?
Não era "Mitra" o deus do sol na cultura Persa?
Não era "Mitra", também, o deus do Sol na cultura Indiana?
Ainda que o "Mitraismo" remonte aos séculos VII e VI, não é verdade que conheceu um importante impulso durante o século II pelos mesmos romanos que mantinham legiões na India?
Não compartiam, o Mitraismo e o Cristianismo, elementos comuns como a "redenção", a "salvação das almas" e que, ambas religiões, pugnaram no século II por se constituirem como religiões dominantes num império que deixava de ser politeísta?
Não era depois das saturnálias romanas que os "Mitraistas" celebravam o renascimento de "Mitra", 25 de Dezembro?
Não continuavam os Povos bárbaros (não romanizados) a celebrar o solstício no dia 25 de Dezembro?
Não era Malaquías que escrevia na biblia que o Messias era o "Sol da justiça"?
Não era a 25 de Dezembro que os romanos festejavam o "Sol invicto", dirigindo-se a um santuário para sacar à luz a figura de uma criança recêm-nascida?
Não é verdade que o solstício dura 12 noites, de 25 de Dezembro a 6 de Janeiro?
Não é durante este período que os "reinos" dos mortos e dos vivos se comunicam, segundo as culturas céltica, germana, índica ou romana?
Não era este período, também, segundo as mesmas culturas, período no qual se celebrava o renascimento do sol por este não haver perecido ao frio inverno?
Não é verdade que o rito de celebração desse acontecimento se identifica bastante com o actual rito cristão, velas, etc?
Não foi gregório I que ordenou a agostinho de cantorbery e a melitus, destruir as figuras dos templos pagãos e paradoxalmente, proteger ditos templos, ou consagrar a agua que os pagãos traziam, promovendo a mentira do quão bom era cristo e quão equivocado estava o Povo?
Não era essa uma forma de evitar sacrificar os "prazeres exteriores" e facilitar simultâneamente a "assimilação de outros gozos espirituais"?
Não foi entre 395 e 423, com Honório, no ocidente, que se começou por celebrar a 25 de Dezembro, e oficialmente, o natal como festa religiosa, reservando a epifânia (até 440) à chegada dos reis magos?
Não foi o papa leão magno que começou a revisão da doctrina anterior, celebrando o dia dos "Magos" a 6 de Janeiro, comemorando ao mesmo tempo, em Milão, ambrósio, no mesmo dia, o baptizado de cristo?
Não foi no século V que a epifânia passou a considerar-se a festa dos 3 milagres: O baptismo do Jordão; a adoração dos "Magos" e a transformação da agua em vinho?
Não é verdade que com o "Concílio de Agde", em 506, se decidiu finalmente a sua imposição, levada a cabo por justiniano em 529?
Não tinha referido mateu, na biblia, um número indeterminado de sábios que se aproximavam a Belém guiados por uma misteriosa estrela (que não a que brilhava na estátua anteriormente mencionada)?
Não é verdade que "Magi" é uma palavra indoeuropeia que permite uma alusão aos sacerdotes persas que mantinham o culto em Jerusalém e gozavam de enorme influência na zona?
Não é verdade que, da mesma forma que em lucas, Mitra, "nascido" a 25 de Dezembro, tinha sido alvo de adoração de pastores e que estes também lhe haviam realizado oferendas?
Não é verdade que hoje se celebra o nascimento físico de jesús a 25 de Dezembro e o espiritual a 6 de Janeiro, mediando 12 apóstoles... Dias, entre ambas datas?


Feliz Natal e não se esqueçam de tomar abrigo, ao contrário daqueles pastores que em Dezembro pastavam os seus rebanhos dormindo ao relento!

A revolução é hoje!

15 comentários:

Zorze disse...

CRN,

São histórias passadas, manipuladas e outras inventadas. Algumas delas transformaram-se em tradição e costume ao que nos dias de hoje milhões de pessoas cumprem os seu rituais sem saberem muito bem a génese do que comemoram.

Tal como houve muitas outras que não ficaram registadas.
Por exemplo, o primeiro indivíduo que por acaso descobriu o fogo.
Terá partilhado essa informação?
Ou terá usado esse conhecimento adquirido, como forma de poder, em relação aos demais?

Abraço,
Zorze

CRN disse...

Não sei pá, o que sei é que "evangelio" é castelhano!

Abraço!

jorge disse...

são os caminhos insondáveis do senhor !!!!!!!

CRN disse...

Jorge,

Nem tanto. Se te referes ao "evangelio", o que queria dizer é que escrevi "evangelio" em lugar evangelho, sendo a primeira frase uma preocupante deformação derivada da minha condição de emigrante.

Abraço!

Susete Evaristo disse...

Por mais que nos contem estas histórias uma coisa é certa, não há qualquer registo do recenceamento que a Biblia diz ter acontecido há 2009 anos; e mesmo que tivesse nascido um menino em Belem que os pastores fosem adorar nunca teria sido em Dezembro pois como cá em Israel é Inverno daí que os pastores não deixariam os rebanhos no campo.
Há mais incongruências mas de tão repasadas tornaram-se verdades aceites pela maioria da população.

Susete Evaristo disse...

Não é verdade que existe um "Da pasha computus" de 243, no qual se determina o dia 28 de Março como data do nascimento?

Esta data tem mais a ver com o sinal que dizem ter sido em Roma uma espécie de senha para os primeiros Cristão. Na verdade já no antigo Egipto se liam os Astros para se adivinhar o futuro aliás os Reis que do Oriente dizem ter ido adorar o menino eram eles mesmo Magos. Logo já se conheciam os signos Astrológicos. Ora sendo um peixe a senha dos Cristãos o mais provável é que o nascimento de Cristo tenha ocorrido entre Fevereiro e Finais de Março, no signo de Peixes.
E como sabem todas as datas designadas de Pagãs foram aniquiladas pela igreja e substituidas por datas e festas religiosas. è só terem um pouco de trabalho e pesquisarem.

filipe disse...

Na verdade, a própria existência histórica de Jesus é ainda uma questão muito controversa, entre investigadores sérios e sem compromissos/vínculos com a(s) religião(ões) cristã. Já para não falarmos no carácter divino que a igreja lhe atribui...

Entretanto, como tantas outras datas, convencionou-se esta como a data da reunião anual da família e dos amigos, do apaziguamento das contradições entre os humanos, da paz (embora tantas guerras estejam em curso). Sendo assim, deseje-mo-nos então uns aos outros as Boas Festas, partilhadas com os nossos mais próximos e queridos, com saúde e (a possível) boa disposição!
Boas Festas e um Bom Ano Novo!
Um abraço.

António Chaves Ferrão disse...

CRN
Não é verdade que os romanos criaram uma festa em Dezembro dedicada ao deus dos Sol, Saturno, e à vitória do calor sobre o frio (o solstício que referes) para reanimar o povo após as humilhantes derrotas infligidas pelo inegualável Aníbal nas guerras púnicas?
Grande abraço

carteiro disse...

A biblia é sempre controversa como é a sua personagem principal, o Homem.
Um abraço com amizade.

duarte disse...

natal?
é mais uma data em que se pode festejar alguma coisa, ou coisa alguma.
se nasceu nessa data ou não , para mim é irrelevante.
já a cruxificação era uma certeza...
tal como hoje existe bondade/maldade.
a palavra do senhor é um choro de lamento.
nasceu o salvador para morrer às mãos de quem é salvado! eis a desculpa de quem por vontade "peca".
abraço do vale e... boas festas.

CRN disse...

Susete,

Uma história larga, demasiado larga!

Um abraço.

CRN disse...

Filipe,

Encontro alguma dificuldade em dar um significado real à palavra "Divino".


Bom Ano!

CRN disse...

António,

Bom Ano!

Refiro-me a essa data mas passo por alto o conteúdo de ditas celebrações, provavelmente por não fugir demasiado à questão fundamental. Não obstante, é sempre gratificante contar com colaborações de camaradas!

"Não era depois das saturnálias romanas que os "Mitraistas" celebravam o renascimento de "Mitra", 25 de Dezembro?"

Um abraço!

CRN disse...

Carteiro,

Um tratado de "Como evitar a emancipação" é sempre controverso.

Bom Ano Novo e um abraço!

A revolução é hoje!

CRN disse...

Duarte,

Um motivo para festejar.

Bom Ano Novo!