domingo, janeiro 24, 2010

Passamos pelas coisas sem as ver

Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Eugénio de Andrade

2 comentários:

Zorze disse...

Tal como num plano mais geral, muitas pessoas morrem sem se aperceberem de que viveram. Passam ao lado de uma vida.

A foto que colocaste causou alguma celeuma na altura, mostra que as pessoas estão cada vez mais egocêntricas e desenraizadas do conceito universal de humanidade.
Lá está, apenas "alguma" celeuma.

Abraço,
Zorze

CRN disse...

A questão seria não haver esta possibilidade de provocar.

Um abraço!