terça-feira, janeiro 18, 2011

"Não dar tréguas ao fascismo"

Uma das muitas estratégias para manipular as populações, além da coacção física ou da imprimação da solidão como realidade próxima, é também o potenciar da memória de experiências aversivas com o objectivo de condicionar pelo medo a sua vontade ou comportamento.
Além do debate a que o povo português pôde assistir num momento crítico para a sua emancipação, entre Álvaro Cunhal e Mário Soares, onde, reiteradamente, este último afirmou que o Partido Comunista o que pretendia era instaurar uma ditadura – conscientes todos do peso que uma palavra que havia determinado a vida do país durante 48 anos poderia ter, sem nos esquecermos que o desequilíbrio fisiológico que o vitimou, através da fome ou do amordaçar da sua voz, impedindo-o criar imagens passíveis de construir sonhos de outras realidades, fomentaria -; no qual se acusou este partido, sem qualquer legitimidade, de estar a conduzir o país para uma guerra civil; ainda depois da entrega da vida dos trabalhadores ao capitalismo apátrida, o condicionamento não parou. Analisemos o dramatismo desta peça teatral, onde se traz à cena uma comedida agitação a atribuir já se sabe a quem:

Hoje, fruto desse trabalho de base, a consciencialização relativa à assunção do resultado das opções de cada um, abrindo os olhos àquelas divergentes das propagandeadas pelos meios de comunicação propriedade dos grupos económico-políticos estabelecidos, aceites como únicas numa espécie de “neolinguísmo” cultural (Similar ao alemão da década de 30 do século passado) reduzido ao tamanho do ecrã, torna-se cada vez mais determinante para a preservação de Portugal, que somos todos, e, de dimensão similar, da espécie.
Filogeneticamente emparentados com as demais espécies, somos, contudo, possuidores de pelos menos uma característica muito singular, o pensamento abstracto (basta que consideremos conquistas históricas incontornáveis). Assim, ao contrário dos limitados animais que no vídeo* em baixo se revelam incapazes de se libertar, perpetuando por si sós os reflexos derivados da repressão, só justificando a liberdade conquistada em Abril poderemos expulsar a corja do governo.

Faltam 6 dias para, sem medo, protagonizarmos um enorme momento civilizacional, dos muitos que experimentaremos pelo caminho.


*- Este paradigma experimental é real.

2 comentários:

Gisela disse...

Excelente e esclarecedor artigo. De recomendar numa aula de História.

O discurso que se segue também devia ter sido esclarecedor, do ponto de vista das premoniçoes.
(A musa inspiradora de Berlusconi?)

http://www.youtube.com/watch?v=6DB42QUJYSM&feature=related

...e a luta contra a retórica, e a retórica contra a luta...

http://www.youtube.com/watch?v=KKw-UjHCEWI&feature=related

CRN disse...

Gisela,

No primeiro vídeo, a arrogância e prepotência do borrego contrastam com uma débil capacidade para esconder os aspectos sobre os quais se trabalha nos bastidores. Estás a ver alguém com este comportamento ter tão presente o âmbito do subconsciente?

No 2º, é típico de um trepa, sobretudo quando começa por aderir ao pcpt-mrpp.

Um beijo.